Porsche Carrera 6

Entrada na era moderna

Sucessor do 904, este modelo foi concebido em finais de 1965 como resposta à Ferrari Dino no Campeonato Europeu de Escalada e introduziu a Porsche na era moderna das corridas.

Embora oficialmente chamado 906 Coupé, a mais recente adição ao departamento de corridas da Porsche chamar-se-ia em breve Carrera 6, dando continuidade à tradição de atribuir esta prestigiada etiqueta aos modelos mais bem sucedidos da empresa com sede em Zuffenhausen, em memória das realizações da Porsche na famosa Carrera Panamericana da década anterior. A Carrera 6 ganhou não só a classe desportiva recentemente criada, mas também a classe de Protótipo.

A Carrera 6 ofereceu múltiplas vantagens: leveza, fiabilidade, aerodinâmica... tão eficaz que a veríamos em Le Mans até 1968. © IXO Collections SAS - Tous droits réservés. Crédits photo © Archives & Collections Dominique Pascal

No Campeonato Europeu de Escalada de 1965, o Porsche 904 Spyder, apelidado "Känguru" e conduzido por Gerhard Mitter e Anton Fischhaber, foi regularmente derrotado pelo Dino Ferrari 206 de Ludovico Scarfiotti. Os pilotos da Porsche queixavam-se constantemente do manuseamento do seu carro, pelo que se decidiu criar um novo com urgência para o final da época. O novo Spyder foi construído em apenas algumas semanas e fez a sua estreia a 25 de Agosto na subida do monte Ollon-Villars na Suíça, dando a este chassis de curta duração o nome Spyder "Ollon-Villars". O campeonato de 1965 foi perdido para a Porsche, mas o departamento de corridas tinha agora uma excelente base para o que viria a ser o 906 Coupé, ou Carrera 6.

Três dos seis Porsche 906s entraram nas 24 Horas de Le Mans 1966, sendo o nº 32 na parte de trás uma versão de cauda longa. © IXO Collections SAS - Tous droits réservés. Crédits photo ©  Droits réservés 

Uma nova era  

O homem que orquestrou a chegada deste carro, considerado o primeiro Porsche da era moderna, não era outro senão Ferdinand Piëch, o sobrinho de Ferry Porsche, que o tinha nomeado Director de Investigação e Desenvolvimento. Como tal, foi também responsável pelas actividades de corrida da empresa sediada em Zuffenhausen. Entre todos os seus projectos, a escalada foi a especialidade mais próxima do seu coração, uma vez que gozava de grande prestígio internacional. Entretanto, a Federação Automóvel Internacional tinha emitido novos regulamentos para 1966. 

Na categoria Grand Touring, na qual a Porsche tinha ganho quatro vezes seguidas, tornou-se obrigatório produzir 2.500 exemplos para obter a homologação de um novo modelo. Isto tornou-a economicamente inviável para um pequeno fabricante como a Porsche, pelo que, com energia renovada, a marca Stuttgart entrou na nova categoria Desporto, que tinha sido relançada nesse mesmo ano. Esta categoria, que exigia apenas uma produção de 50 unidades, tornou possível produzir, com um orçamento mais económico, modelos de corrida mais próximos dos Protótipos do que dos GTs. Assim, após recentes contratempos no Campeonato de Hillclimball, a Porsche virou-se com grande ambição para a categoria de Desporto do Campeonato Mundial de Automóveis Desportivos.

As asas dianteiras da Carrera 6 são muito proeminentes para acomodar as grandes rodas de 15 polegadas.© IXO Collections SAS - Tous droits réservés. Crédits photo ©  Archives & Collections Dominique Pascal 

Chassis tubular 

A sua estreia nas corridas correspondeu às expectativas, já que a Carrera 6 ganhou a sua classe nas 24 Horas de Daytona (Hans Herrmann-Herbert Linge) e depois a famosa Targa Florio (Willy Mairesse-Herbert Müller). Estes sucessos foram seguidos de numerosas vitórias de classe: Sebring, Nürburgring, Mugello, Brands Hatch, Zeltweg, que permitiram ganhar o Campeonato do Mundo de 1966 nas categorias Protótipo de 2 litros e Desporto de 2 litros... Para poupar tempo e dinheiro na construção, vários elementos mecânicos foram retirados do 904 GTS, tais como os discos de travão, feitos de berílio, com pinças de duplo pistão ATE-Dunlop, bem como os porta-cubos e rodas fornecidos pela Lotus. A principal inovação foi a estrutura da estrutura, que suportava completamente a carga e consistia numa estrutura multitubular de tubos de aço circulares. A empresa "Karrosseriewerk Weinsberg" foi responsável pela sua construção, e o engenheiro Wilhelm Hild foi enviado de Zuffenhausen para supervisionar a sua produção. O corpo consistia em partes destacáveis feitas de resina de poliéster reforçada com fibra de vidro.

A silhueta é particularmente limpa e fluida, com elegantes portas de asa de gaivotas que se abrem para cima, seguindo o princípio criado pela Mercedes para o seu 300 SL. © IXO Collections SAS - Tous droits réservés. Crédits photo ©  Archives & Collections Dominique Pascal

Um motor 911 

Seria produzido um total de 65 "Carrera 6s", 52 dos quais com o chassis original, nove protótipos 906 E com o motor de 6 cilindros injectado no combustível (225 cv) e quatro protótipos 906/8 com o motor de 8 cilindros de 2,2 litros (275 cv). Para as 24 Horas de Le Mans, foi desenvolvida uma versão LH com um corpo esticado a 4,60 metros de comprimento, pesando 635 kg e com uma velocidade máxima de 300 km/h (186 mph). O motor de 6 cilindros do 906 foi derivado do motor do 911 padrão. Para poupar peso, o bloco foi feito de Elektron, enquanto as cabeças dos cilindros foram feitas de Silumínio e os cilindros de alumínio, com bielas de titânio. Isto reduziu o peso do flatsex original de 200 kg para 143 kg, ao mesmo tempo que entregava 210 cv a 8.000 rpm (contra 130 cv para o 911) com um torque máximo de 20,1 kg a 6.000 rpm. A embraiagem de placa única e a transmissão foram complementadas por um diferencial de deslizamento limitado autobloqueante do tipo ZF.

Especificações Técnicas

Porsche Carrera 6 (1966)

• Motor: Tipo 901/20, 6 cilindros, 6 cilindros planos, traseira central longitudinal 

• Deslocamento: 1,991 cm3 

• Diâmetro x curso: 80 mm x 66 mm 

• Potência: 210 hp a 8.000 rpm 

• Alimentação de combustível: 2 Weber 46 IDA 3C carburadores verticais de corpo triplo 

• Ignição: bateria, bobinas e distribuidores gémeos Marelli

• Tempo: 1 arvore de cames superior por banco, 2 válvulas por cilindro 

• Transmissão: Tipo 906, tracção traseira, 5 mudanças + M.A. 

• Pneus: 7" x 15" (à frente), 9" x 15" (atrás) 

• Travões: discos ventilados (à frente e atrás) 

• Comprimento: 411,3 cm 

• Largura: 168 cm 

• Altura: 98 cm 

• Distância entre eixos: 230 cm 

• Via frontal: 133,8 cm 

•  Pista traseira: 140,2 cm 

• Peso (sem carga): 620 kg 

• Velocidade máxima: 280 km/h

Casa cheia em Le Mans

Entre 1988 et 1989, une série limitée à 19 exemplaires baptisée 928 S4 CS (Clubsport) est lancée pour une clientèle très fortunée. Ce modèle exclusif a été conçu dans l’esprit de la 911 Carrera Clubsport produite à 340 exemplaires l’année précédente. La 928 CS est plus légère d’environ 130 kg et dispose du moteur de la S4 : V8 de 5 Litres offrant 320 ch à 6 000 tr/min associé à une boîte manuelle 5 vitesses. Ce qui lui permet une vitesse de pointe de 271 km/h. Après deux prototypes présentés en 1987, cinq exemplaires de pré-série sont produits et offerts aux pilotes d’usine Porsche du moment : Derek Bell, Hans-Joachim Stuck, Bob Wolleck, Jacky Ickx et Jochen Mass. Puis les 19 exemplaires de série sont assemblés : 12 en 1988 et 7 en 1989.

Articles récents
A SITUAÇÃO DA REDE SNCF AQUANDO DA LIBERTAÇÃO

A SITUAÇÃO DA REDE SNCF AQUANDO DA LIBERTAÇÃO

Numa França dividida em duas pela linha de demarcação, só os caminhos-de-ferro podiam funcionar sem rupturas de continuidade. Um paradoxo histórico e um símbolo representado pelo caso da estação de Avricourt, entre Paris e Estrasburgo, que recuperou a sua posição de estação fronteiriça que tinha conhecido entre 1871 e 1918! read more

Share this post

Pagamento 100% seguro  Pagamento 100% seguro
Embalagem segura Embalagem segura
Transporte seguro  Transporte seguro
Assinatura flexível  Assinatura flexível