O RALLY DE MONTECARLO DE 1973

Rédaction : Albert Lallement  

NO CAMINHO PARA A GLÓRIA

O histórico hat-trick dos Berlinettes no 42º Rally de Monte Carlo foi o prelúdio de uma época excepcional que culminaria com um título de campeão mundial.

Em 1973, o Rali Monte Carlo foi ganho por Jean-Claude Andruet e pelo seu navegador "Biche", que se tornou a primeira mulher a ganhar um evento do Campeonato do Mundo de Rali. Depois de perder a liderança na classificação provisória devido a um furo no Col du Turini, Andruet fez uma actuação excepcional na última etapa especial, no Col de la Madone. No final, a sua companheira de equipa disse que nunca tinha pensado que fosse possível andar tão depressa.

No final de uma corrida cheia de reviravoltas e surpresas, Jean Claude Andruet e o seu navegador "Biche" obtiveram uma vitória inesquecível ao volante do seu Alpine A110 1800. © IXO Collections SAS - Tous droits réservés. Crédits photo © Renault D.R. / Archives et Collections

A fim de aumentar a visibilidade do rali para o grande público, a Comissão Internacional do Desporto decidiu organizar um novo campeonato mundial para a temporada de 1973, com uma classificação reservada exclusivamente aos fabricantes de automóveis. Este campeonato, aberto aos carros dos Grupos 1 a 4 (não foram admitidos protótipos do Grupo 5), consistia em 13 provas variadas, com a época a começar como habitualmente com o Rali Monte Carlo. Os 10 primeiros classificados em cada prova receberam pontos (20, 15, 12, 10, 8, 4, 3, 2 e 1), mas apenas o resultado do carro melhor colocado de cada marca foi tido em conta. No final da época, seriam tidos em conta os 9 melhores resultados por fabricante. A obrigação de participar em todo o campeonato não era aplicável na altura, pelo que a Alpine-Renault decidiu participar em apenas 10 corridas em 1973, a fim de optimizar o orçamento disponível do seu departamento de corridas.

Anderson batalhou pela vitória com Andruet durante as etapas especiais em estradas particularmente nevadas.  © IXO Collections SAS - Tous droits réservés. Crédits photo ©  Renault D.R. / Archives et Collections

Competição séria

O Rali Monte Carlo de 1973, realizado de 19 a 26 de Janeiro, foi a primeira ronda do Campeonato Mundial de Rali (mais tarde conhecido como WRC). Participaram um total de 279 carros, a maioria dos quais conduzidos por pilotos amadores. Entre os construtores oficialmente presentes encontravam-se os principais protagonistas das edições anteriores. No Grupo 4 (Grand Touring Specials): Alpine-Renault (Berlinette A110 1800), Fiat (124 Rally), Lancia (Fulvia 1600 HF) e Datsun (240 Z) e no Grupo 2 (Special Touring Cars): Ford (Escort RS 1600), Renault (R12 Gordini) e Opel (Commodore GS/E). A equipa oficial Alpine-Renault colocou em campo cinco carros: Jean-Luc Thérier e Marcel Callewaert (No. 4), Ove Andersson e Jean Todt (No. 15), Bernard Darniche e Alain Mahé (No. 1), Jean-Pierre Nicolas e Michel Vial (No. 21) e Jean-Claude Andruet e "Biche" (No. 18). A eles juntaram-se motoristas "semi-oficiais" como Jean François Piot, e "clientes" como Bob Neyret e Bob Wollek. No total, nada menos que 38 Berlinettes alpinas alinharam no início, incluindo dez A110 1800s, mas apenas 12 cruzaram a linha de chegada.

A Berlinette 1800 de Bob Wollek e Pierre Thimonier foi o Alpine privado mais bem colocado, terminando em 14º lugar na geral. © IXO Collections SAS - Tous droits réservés. Crédits photo ©  Renault D.R. / Archives et Collections

O percurso do rally 

Antes do rali competitivo, os concorrentes podiam escolher entre nove cidades europeias para iniciar a sua rota de rali de sexta-feira 19 a domingo 21 de Janeiro: Almeria, Atenas, Frankfurt-Hanau, Glasgow, Monte Carlo, Oslo, Reims, Roma e Varsóvia. As distâncias a percorrer variavam entre 2,463 e 2,735 km, dependendo da cidade de partida, com a equipa Alpine a optar pela partida no Mónaco (às 17:23). Todas as rotas conjuntas convergiram no domingo de manhã às 7h30 em Digne, de onde foi disputada uma etapa especial de 17 km de abertura em torno do Col de Corobin. A partida seguiu a ordem de chegada das rotas do rally. Na partida para as equipas Alpine, a superfície da estrada estava coberta de gelo, o que não era o caso quando era a curva dos Fords e Lancias. O Alpine de Andruet - "Biche" terminou na 6ª posição no final desta primeira parte do rali, 33 segundos atrás do Lancia de Sandro Munari, que liderou a classificação provisória.

O histórico hat-trick da Alpine no Rally de Monte Carlo foi uma grande montra para a rede de vendas da Régie Renault. © IXO Collections SAS - Tous droits réservés. Crédits photo ©  Renault D.R. / Archives et Collections

Um acabamento cheio de alternativas 

Após um dia e meio de descanso, os concorrentes enfrentaram um percurso comum que se estendia ao longo de 1.653 km e incluía 25 etapas, oito das quais etapas especiais de mais de 235 km. Embora o Ford de Mikkola tenha dominado as duas primeiras etapas, Andruet recuperou a liderança na etapa Burzet, durante a qual as condições meteorológicas foram tais que 140 equipas foram eliminadas. Na noite de quarta-feira 24, os pilotos da Alpine, Andruet, Anderson e Nicolas assumiram a liderança na classificação provisória. As três "Berlinettes" foram separadas por menos de três minutos e a Alpine quis evitar uma batalha fratricida. Apesar do apelo à contenção, Ove Anderson, vencedor da edição de 1971, estava determinado a repetir a sua actuação. A corrida seria decidida durante as provas complementares de 25 e 26 de Janeiro, disputadas ao longo de 653 km em 11 etapas, incluindo oito etapas especiais de 153 km. Em duas delas, Anderson ganhou 15 segundos sobre Andruet, que sofreu um furo no Col du Turini. Este último caiu de volta ao 3º lugar, pensando que a vitória estava a escapar, quando Anderson saiu inesperadamente da estrada no Col de la Couillole. No último passe sobre o Turini, Andruet recuperou 34 segundos sobre Anderson e assumiu a liderança geral. Durante a última etapa especial no Col de la Madone, Andruet percorreu 18 km em 15 minutos e 11 segundos, batendo o recorde de 1970 de Nicolas (16 min 3 seg.). Com esta actuação, completou o rally em 5h 42min 04seg.

Para ir mais longe...

Campeão do Mundo

O primeiro Campeonato Mundial de Rali, atribuído exclusivamente a construtores a partir de 1973, foi ganho pela Alpine-Renault no final de uma temporada com níveis de competitividade lendários. A A110 1800 Berlinette dominou o campeonato ao vencer seis das 13 provas: Monte Carlo (Jean-Claude Andruet), Portugal, Acrópole e San Remo (Jean-Luc Thérier), Tour de Corse (Jean-Pierre Nicolas) e Marrocos (Bernard Darniche). Darniche também venceu o Rally austríaco, mas foi relegado para o segundo lugar pelo CSI. Na classificação final, Alpine marcou 147 pontos, seguido de Fiat (84 pontos) e Ford (76 pontos). Embora o título do Campeonato Mundial de Pilotos de Rali não tenha sido atribuído até 1977, Jean-Luc Thérier foi o vencedor não oficial em 1973, graças ao seu brilhante desempenho nesse ano.

Desde o início de 1974, a empresa Renault destacou o extraordinário sucesso da Alpine durante o Campeonato Mundial de Ralis com anúncios de página inteira.© IXO Collections SAS - Tous droits réservés. Crédits photo ©   Renault D.R. / Archives et Collections

"Biche"

Michèle Espinosi-Petit, apelidada de "Biche", foi a fiel co-condutor de Jean-Claude Andruet durante dez temporadas. Formaram uma equipa extraordinária em corridas internacionais ao mais alto nível. Esta navegadora excepcional nasceu a 28 de Setembro de 1948 em Crémieu, na região de Isère, não muito longe de Lyon, onde o seu pai era mecânico de automóveis. Ganhou a sua primeira experiência em corridas no Rally de Genebra de 1966 com Gérard Larrousse. No ano seguinte, conheceu Andruet e tornou-se a sua navegadora habitual a partir de 1972. De 1973 a 2013, participou em 23 campeonatos mundiais e ganhou dois: Monte Carlo 1973 (Alpine) e Tour de Corse 1974 (Lancia Stratos HF) ao lado de Andruet. Tinham sido anteriormente campeões franceses em 1972. Também ganharam seis comícios no Campeonato Europeu e oito no Campeonato de França.

"Biche" e Jean-Claude Andruet saborearam a sua vitória no Rally de Monte Carlo de 1973. © IXO Collections SAS - Tous droits réservés. Crédits photo ©  Renault D.R. / Archives et Collections

Equipa Alpina

O departamento de corridas da Alpine estava localizado numa área reservada na fábrica Dieppe e era chefiado por Jacques Cheinisse, a quem os pilotos chamavam carinhosamente "pai". Pouco antes do início do Campeonato Mundial de Ralis, a Alpine tornou-se oficialmente Alpine-Renault após a Régie ter adquirido uma participação na empresa. À volta de Jacques Cheinisse havia uma equipa extraordinariamente unida, começando com os cerca de vinte mecânicos liderados por Gilbert Harivel, chefe da oficina de competição, um "veterano" que se juntou à Alpine em 1957. A camaradagem também reinou entre a equipa de pilotos de fábrica, os famosos "Mousqueteiros" Darniche, Nicolas, Andruet e Thérier. Thérier propôs que o dinheiro do prémio fosse dividido igualmente após cada corrida, independentemente do resultado de cada piloto.

O departamento de corridas da Alpine em 1973. Jean-Luc Thérier (3º da esquerda) na segunda fila com Bernard Darniche, Jean-Pierre Nicolas e Jacques Cheinisse. © IXO Collections SAS - Tous droits réservés. Crédits photo © Renault D.R. / Archives et Collections

O Grupo 4 Berlinette 1800

Os Berlinette oficialmente registados pela equipa Alpine foram todos A110 1800s homologados no Grupo 4 (carros especiais Grand Touring). Para 1973, o departamento de competição produziu 24 exemplos deste modelo: 15 chassis utilizados no Campeonato Mundial, 6 "mulas" (carros sobresselentes) e 3 unidades "cliente de corrida". Apesar do seu motor de 1800, o Grupo Alpine 4 de 1973 é um tipo "1600 VC". O bloco 844, do Renault 16, foi preparado por Marc Mignotet, que aumentou o deslocamento para 1.798 cm3 (82,5 mm de diâmetro x 84 mm de curso), fornecendo 175 cv a 6.500 rpm, permitindo atingir uma velocidade máxima de mais de 250 km/h. Os chassis construídos na fábrica Thirons-Gardais estavam disponíveis em três configurações: ultra-leve, mistura leve ou pesada. Externamente, o 1800 distinguiu-se pelas suas asas largas e pelos grandes pneus Michelin Racing.

Jean-Pierre Jabouille s'est toujours investi techniquement dans les voitures qu'on lui confiait comme ici la monoplace de F1 Renault RE20 de 1980. © IXO Collections SAS - Tous droits réservés. Crédits photo ©  Renault D.R. / Archives et Collections

Jean-Claude Andruet

Jean-Claude Andruet, nascido em Montreuil a 13 de Abril de 1940, fez a sua estreia em 1965 ao volante de um Renault 8 Gordini. A sua reputação como piloto eclético e extremamente talentoso precedeu-o, destacando-se em numerosas provas internacionais de Rally, Circuito e Rampa de Colina. Foi campeão francês de Rally em 1968, 1970 e 1972 e campeão europeu em 1970, conduzindo um Renault Alpine. Depois continuou a sua carreira com a Fiat, Lancia e Ferrari até 1994, muitas vezes acompanhado pelo seu fiel navegador "Biche". De 1973 a 1995, participou em 29 ralis do Campeonato Mundial, tendo ganho três deles: Monte Carlo 1973 (Alpine), Tour de Corse 1974 (Lancia Stratos HF) e San Remo 1977 (Fiat 131 Abarth). Ganhou também 17 provas do Campeonato Europeu e 28 provas do Campeonato Francês. Participou também em 19 edições das 24 Horas de Le Mans entre 1967 e 1989, sendo o seu melhor resultado o 5º lugar em 1972 (Ferrari 365 GTB4) e 1981 (Ferrari 512 BB LM).

CLASSIFICAÇÃO GERAL

1ª: Jean-Claude Andruet - "Biche" (Alpine A110 1800) 

2º: Ove Andersson - Jean Todt (Alpine A110 1800) 

3º: Jean-Pierre Nicolas - Michel Vial (Alpine A110 1800) 

4ª: Hannu Mikkola - Jim Porter (Ford Escort RS 1600) 

5ª: Jean-Luc Thérier - Marcel Callewaert (Alpine A110 1800) 

6º: Jean-François Piot - Jean-Louis Marnat (Alpine A110 1800) 

7ª: Raffaele Pinto - Arnaldo Bernacchini (Fiat 124 Rally Abarth)

8ª: Harry Källström - Claes Billstam (Lancia Fulvia 1600 Coupé HF) 

9ª: Tony Fall - Mike Wood (Datsun 240 Z) 

10ª: Bernard Darniche - Alain Mahé (Alpine A110 1800)

Articles récents
A SITUAÇÃO DA REDE SNCF AQUANDO DA LIBERTAÇÃO

A SITUAÇÃO DA REDE SNCF AQUANDO DA LIBERTAÇÃO

Numa França dividida em duas pela linha de demarcação, só os caminhos-de-ferro podiam funcionar sem rupturas de continuidade. Um paradoxo histórico e um símbolo representado pelo caso da estação de Avricourt, entre Paris e Estrasburgo, que recuperou a sua posição de estação fronteiriça que tinha conhecido entre 1871 e 1918! read more

Share this post

Pagamento 100% seguro  Pagamento 100% seguro
Embalagem segura Embalagem segura
Transporte seguro  Transporte seguro
Assinatura flexível  Assinatura flexível